Editorial

Fetiche do francês fétiche, que por sua vez vem do português feitiço e, este, do latin facticius artificial, fictício é “uma força, uma propriedade sobrenatural do objeto e consequentemente, um potencial mágico semelhante no sujeito” de acordo com a definição de Jean Baudrillard.

A ideia do segundo ensaio fotográfico pro meu site oficial surgiu de uma conversa com o Dudu, falávamos de coisas que gostávamos, de cores, coisas e mais coisas, quando percebi estávamos pensando no Dark Fetish. Eu amo preto e a sensualidade que ele traz, e também amo fetiche, suas possibilidades.

A sensualidade em fotos preto e branco exploram gêneros, disfarces e mostram o lado sensual do fetiche. As fotos foram livremente inspiradas no universo fetichista, o ensaio foi clicado por André Schiliró, é sempre uma delícia brincar na frente das suas lentes. A direção artística do Dudu Bertholini foi incrível, a cada look e peça que me apresentava, e a beleza da Carol Prada, o que falar? Demais, a gente super se entende.

Eu vivo o universo fetiche. É uma coisa que eu conheci muito cedo, aos 14 pra 15 anos. Eu gostava da coisa estética artística e fui entrando por aí, nesse lugar que tem uma coisa do obscuro que eu gosto também, mas me atrai muito mais pela estética. Gosto de bondage, acho lindo amarrações, couro, salto alto, acho sexy. E acredito que o fetiche vai além da coisa puramente sexual, lógico que eu gosto da coisa sexual, mas vai além, é quase como estilo de vida. Tem a coisa da cultura de cada fetiche em especifico e tem a liberdade de você poder tudo, não ter nenhuma amarra, o rótulo só existe para definir algumas regras de segurança para que você possa exercer o seu livre arbítrio e sua liberdade dentro do jogo que você quer jogar.

Diversas referências me inspiraram pra compor o ensaio, Marilyn Manson, que eu amo, com sua androginia, sensualidade e estranheza, Helmut Newton, pela modo de desnudar e mostrar o fetiche de forma chique, criando o fetiche pela imagem em suas fotografias. Acho que todos nós somos fetichistas, uns menos outros mais. Explorar a sensualidade por esse viés e todas suas possibilidades foi uma delícia, estar com pessoas que eu adoro também. Por ser eu e ser diversa, múltipla é muito excitante, o prazer do oculto, o desejo e a sensualidade residem na metáfora do fetiche, o que te instiga? O que é sexy pra você? Um olhar, o jeito de falar, perucas, sapatos altos? O quê?

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo