Que Tal
Laerte está nua

Laerte está nua

Exposição de fotos nuas da cartunista expressam sua arte por meio de imagens e esboços da artista

O título, Adágio, faz uma alusão conceitual e metafórica a esse processo. Adágio pode ser entendido por um trecho musical de andamento vagaroso, uma dança na qual a ordem dos movimentos, passos ou posições são desenvolvidos nesse ritmo lento. Por mais que pareça estático, há andamento, o movimento nunca cessa, é contínuo e em seu próprio tempo, mesmo assim pretende chegar à conclusão; ou, então, busca expandir-se para novos compassos e ritmos.

A Galeria Hipotética de Porto Alegre recebeu em Agosto a série Adágio, de Rafael Roncato, exposição de fotos do cartunista Laerte completamente nua. A série também apresenta ilustrações exclusivas feitas por Laerte durante o processo de criação do ensaio. Adágio não é o primeiro trabalho de Roncato com autores de HQs: ele leva há alguns anos a produção da .nankeen, com retratos em preto e branco de vários artistas brasileiros.

Laert Branco
Imagem: Rafael Roncato

Segundo o fotógrafo Laerte o procurou para fazer algumas fotos de divulgação que ela estava precisando na época. Boa parte da conversa foi pensando nessas imagens que seriam para ela, com trocas de roupas, maquiagem, fundos diversos e em estúdio. Foi uma longa troca de e-mails: ela havia me procurado no final de 2012, mas fomos começar a pensar no que fazer no começo de 2013, e as fotos foram produzidas de fato apenas em julho de 2013.

Laert: Ilustração
Imagem: Rafael Roncato

A ideia do nu surgiu no meio de conversas por e-mail, foi uma sugestão lançada que os fez pensar, principalmente a Laerte, que ficou interessado, apesar de uma certa dúvida. Laerte fez um lindo esboço (esta imagem estará na exposição como um primeiro estudo) com algumas poses e a tinta caindo sobre o corpo; O resultado final foi próximo ao que haviam pensado, claro que com algumas surpresas muito importantes.

“Como são fotos que dependem de outra pessoa, é impossível ter o controle completo da situação. Estar no estúdio já dava certo controle sobre o ambiente e algumas decisões ali dentro. A felicidade do ensaio foi realmente a Laerte ter se doado por completo, dando a liberdade que eu precisava para fazer as imagens que eu bem quisesse e acrescentando algumas ideias dela que surgissem na hora. Foi muito fluido e acredito que a confiança foi um fator importante, uma confiança mútua”, afirma Rafael.

Laert Preto
Imagem: Rafael Roncato

Foram cerca de oito horas no estúdio, desde a produção das fotos de divulgação, passando para o nu e depois as tintas. Foi extremamente puxado e difícil: se pintar inteira, posar, e ainda depois ter que tirar a tinta com banho de mangueira para a próxima rodada e após tudo terminar. Ela se doou por completo, acho que é o mais lindo de tudo isso.

“Comecei a me sentir feminina ao me despir dessa roupa de homem que são os pelos do corpo. Pronunciar ‘corpo’ já é meio que tirar a roupa. Sempre quis me ver sem precisar de roupas e pelos”, afirma a cartunista.

Acho engraçado como o título fala, de certa forma, tanto do processo dela quanto o meu para o entendimento dessas imagens, ressalta Rafael. As fotos foram realizadas em 2013, mas o trabalho foi finalizado em 2015. Teve que ser maturado para chegar numa forma final, quase dois anos de pensar, editar e entender o significado do trabalho além da plasticidade óbvia que ele possui. A exposição segue por outras cidades do país, saído o cronograma avisaremos para você possa ver de perto o Adágio de Laerte em parceria com Rafael Roncato.

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo