Beleza
Maquiagem artística

Maquiagem artística

A sedução pelo não óbvio

A maquiagem há muito deixou de servir somente para embelezar criando um universo de possibilidades. Artística, ela se utiliza de técnicas das mais diversas para transformar, criar, proporcionar arte no rosto e no corpo. Alma Negrot trabalha nessa vertente artística, sob uma perspectiva arquetípica. Pra quem não sabe, arquétipos são figuras que trazemos em nosso imaginário, e que são comuns a todos, mesmo tendo variações pessoais. Muitas vezes oníricas, lúdicas e diversas.

Maquiagem de Alma Negrot
Fonte: https://www.instagram.com/almanegrot/

Negrot traz para maquiagem a pesquisa e a busca por ressignificação de elementos e a criação de personas por meio da criatividade. Cada maquiagem é exclusiva e tem a ver com a criação de cada pessoa.

“Eu trabalho com pintura e vertentes artísticas manuais desde muito cedo. Fazer maquiagem e performance foi pra extravasar minhas vontades enquanto artista e politicamente enquanto LGBT.  Há algum tempo atrás eu trabalhei de barman em uma sauna em Porto Alegre que tinha shows diários de drag queens e gogoboys. Aquilo me instigou muito, não podia acreditar que algo tão belo e lúdico só pudesse existir na esfera privada. Foi aí que criei a Alma e a coloquei na rua”, afirma.

Maquiagem de Alma Negrot
Fonte: https://www.instagram.com/almanegrot/

O trabalho é impulsionado por memórias e referências culturais que permeiam minha realidade e meus sonhos num processo completamente intuitivo. Papéis, sucata, plantas, tinta me ajudam a criar formas oníricas que nunca são repetidas. Compreendo o choque da minha presença pela androgenia, mas minha performance tem atingido ultimamente a questão “é humano ou não-humano”, comenta ele.

Cleo Pires na preparação da maquiagem dourada
Reprodução da Internet

Com minha maquiagem procuro atingir as pessoas pelo estranhamento e pela beleza encontrada no “ser estranho”. É uma provocação a beleza hegemônica e ressignificação do corpo procurando formas mais lúdicas de existir. Essa beleza do estranho é uma das coisas que a Cleo mais adora, o não óbvio, o olhar mais demorado sobre a coisa. Esse estranhamento é um dos pontos centrais na criação dela. Um dos momentos onde o universo de ambos se cruzou foi no carnaval, ela surgiu pela avenida com maquiagens nada óbvias, trazendo o estranhamento à tona, quem eram aquelas figuras, que seres aqueles que vinham da maquiagem? Sim era carnaval, todas as possibilidades, então por que não?
Alma e Cleo ainda não se conhecem pessoalmente, mas a visão criativa de ambos, de certa forma se conecta. E nós esperamos o dia em que se cruzem, pois muita coisa boa, “estranha” deve sair daí.

Cleo Pires na desfilando na Sapucaí com Maquiagem de Pássaro
Reprodução da Internet
Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo