Atitude

Mexeu com índio, mexeu com o clima

As comemorações da data marcam a necessidade de políticas em prol das comunidades indígenas.

Todo dia deveria ser dia de índio, no entanto, 19 de abril se comemora o dia do índio, dos primeiros habitantes do nosso Brasil. Há muito que se fazer em prol dos povos indígenas, pensando nisso, resolveu-se apoiar uma campanha que envolve todo mundo: “Mexeu com índio, mexeu com clima”. O objetivo é demonstrar apoio da sociedade aos índios do Brasil na luta por seus direitos à terra, e também, contra o desmatamento que ocorre em grande parte de terras espalhadas pelo país. Vamos pintar nossos rostos e postar nas redes sociais para conscientizar o mundo da importância dessa causa. Basta pintar o rosto com alguma maquiagem de cor vermelha.

O genocídio dos povo indígenas

As comunidades indígenas tem diminuído, desaparecido, e os índios em sua maior parte tem perdido seu espaço no meio do processo capitalista que acaba por excluí-los. Durante os anos da ditadura militar (1964-1985), aproximadamente mais de 8,3 mil índios foram assassinados no Brasil. Mas os grandes avanços estabelecidos pela Constituição de 1988 para salvaguardar os direitos dos índios estão sob crescente ameaça. O brutal desmonte da política indigenista nos últimos anos e a ofensiva sem precedentes para impedir demarcações e, inclusive, tentar reduzir as terras indígenas já homologadas, afetam diretamente os quase 900 mil índios, divididos em 305 povos que falam 274 idiomas, que resistem no país.

Índios em ritual | Mexeu com índio, mexeu com o clima
Reprodução da Internet

Os direitos indígenas tem de ser garantidos, junto deles questões como a do desmatamento e extração de madeira ilegal tomam outro rumo. O próximo capítulo dessa luta será entre 24 e 28 desse mês. Movimentos indígenas irão realizar uma grande manifestação em Brasília. Cerca de 1.500 lideranças indígenas de todo Brasil estão se mobilizando com o intuito de unificar as lutas em defesa do Brasil indígena. Essa mobilização indígena ensina ao Brasil novos caminhos de resistência e respeito aos direitos constitucionais e humanos de todas as minorias.

Dar posse de terras a quem é de direito

Os esforços que envolvem os custosos monitoramentos de terras, com intuito de proteção da Floresta Tropical Amazônica e punição a quem desmatar não atingem a meta. Vários países tentam fechar o cerco e diminuir o desmatamento, no entanto, pouco se consegue. Surge então a ideia, mais simples, barata e objetiva, entregar às comunidades indígenas o título dessas terras. Em estudo publicado no periódico “Proceedings of the National Academy of Sciences”, o desflorestamento foi reduzido em 75% em regiões que passaram a ser formalmente controladas por índios no Peru.

Segundo matéria do Jornal O Globo desse mês – por meio de análises de imagens por satélite, pesquisadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) compararam a cobertura florestal antes e dois anos após uma região ser cedida oficialmente a comunidades indígenas. Dessa forma, foi possível realizar medições diretas dos benefícios para a preservação da floresta.

Além disso, após a titulação formal, os indígenas podem ser aconselhados por agentes do governo sobre as melhores práticas para a preservação da floresta e outros serviços oficiais. Existem no Peru cerca de 1.200 comunidades indígenas, formadas por aproximadamente 330 mil índios. Elas controlam cerca de 10 milhões de hectares de florestas no país.

Pintura sobre índios | Mexeu com índio, mexeu com o clima
Reprodução da Internet

A luta contra atividades ilegais, como o desmatamento e a extração ilegal de madeiras, é difícil, devido a extensão territorial da floresta da localização. Os governantes lutam contra esse processo, mas esquecem de colocar o índio no centro dessa questão. Ocupantes históricos dessas áreas, eles podem ser aliados expressivos nesse combate. A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e se estende por nove países da América do Sul, sendo sua maior parte no Brasil. No Peru, o ecossistema cobre mais da metade do território do país, e sua preservação é um imenso desafio.

As comunidades indígenas são responsáveis pelo gerenciamento de aproximadamente um terço das florestas nos países em desenvolvimento, mais que o dobro das áreas protegidas pelos governos. A experiência do Peru se mostrou bem sucedida, mas não é possível extrapolar para outros países sem estudos específicos. No país seria possível dar a essas comunidades títulos que legalizassem a posse das terras, auxiliando nessa questão e também devolvendo aos povos indígenas o que é seu de direito, historicamente.

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo