Experiências
Romance à beira do Rio Araguaia

Romance à beira do Rio Araguaia

Há sete anos, Cleo dava vida a índia Estrela Karuê na novela Araguaia.

Em setembro de 2010, às margens do Rio Araguaia, nascia a história de Estrela Karuê ou Estela Rangel, personagem vivida pela Cleo na novela Araguaia. Exibida no horário das 18h, o folhetim foi escrito por Walter Negrão e colaboradores, com direção geral de Marcelo Travesso e Marcos Schechtman. Par romântico de Mutilo Rosa, ela viveu um triângulo amoroso e pode se aprofundar ainda mais nas suas raízes brasileiras por meio a personagem com traços indígenas.

Dividida em duas fases, Araguaia começava em 1845 durante a Revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul, com o romance de Antônia e o índio Apoena. Durante um ataque a fazenda onde Antônia mora, o índio foge com ela. A paixão proibida desperta a raiva da índia Iarú que com ajuda de um Xamã lança uma maldição sobre Apoena e Antônia – enquanto houver sangue Karuê sobre a Terra, a começar por aquele menino que Antônia está dando à luz, todos os filhos homens dela e de suas futuras gerações terão morte prematura às margens do Rio Araguaia. Antes de morrer, essa história num caderno de receitas, que é passado de geração em geração.

Para entender a Maldição Karuê

Cleo Pires e Murilo Rosa em cena de Araguaia | Romance à beira do Rio Araguaia
Imagem: TV Globo

A segunda fase se passa muitos anos depois, e inicia com o encontro de Fernando Rangel (Edson Celulari) com seu filho o qual teve pouco contato, Solano (Murilo Rosa), em uma cidade chamada Pirenópolis. Rangel vai à cidade com a esposa Estela (Cleo Pires). Disputas de terras e poder movem a história, além do triângulo amoroso entre Estela, Solano e Manuela. Após Solano decidir se estabelecer na estância, ele vive uma paixão às margens do Araguaia, ao conhecer Manuela (Milena Toscano), filha de Max (Lima Duarte), um coronel autoritário e que manda na região e que encontra em Solano um desafeto. Não só Max, Solano enfrentará o conturbado triângulo além da maldição descrita por Antônia na primeira fase. A trama teve grande audiência e destaque país à fora e até mesmo no exterior, recebendo indicações ao Emmy Internacional de melhor novela.

Cleo Pires e Murilo Rosa ensaiam cena de Araguaia | Romance à beira do Rio Araguaia
Imagem: TV Globo

Em entrevista ao Gshow, Cleo disse que achava lindas as roupas e as pinturas de Estela, que era importante para a vida da personagem. Ressaltou o trabalho minucioso e o ritual diário de pintura corporal. Para as cenas ritualísticas dá personagem, na busca por livrar o amado da morte ela afirmava:

“Dá muito trabalho. Antes de tudo, você tem que estar impregnado do personagem. A história me emociona. Eu me coloco presente na trajetória do personagem. Tento pensar como a Estela pensaria. Como se trata de uma história de ficção, os rituais não existem de verdade, mas pegamos alguns elementos, como o respeito à hierarquia, os índios não têm o hábito do contato físico, não se abraçam, ficam em posição de cócoras em cerimônias, entre outras coisas”, destacava ela.

Cleo não definia Estela como mocinha ou vilã, avaliava que a personagem “fazia o que fosse preciso para conquistar objetivos”. A imparcialidade sobre os personagens continua até hoje, ela prefere deixar que eles sigam seus rumos a julgar suas ações. Confira o vídeo de Cleo falando um pouco sobre a personagem:

Confira mais um vídeo sobre a Novela Araguaia

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo