PreparaNem – curso pré-vestibular para pessoas transexuais

O projeto PreparaNem é um curso pré-vestibular, preparatório para o Enem e concursos públicos, voltado para pessoas em situação de vulnerabilidade social. O foco principal do projeto são travestis, mulheres transexuais, homens trans e pessoas transgêneros, que diversas vezes são excluídas do convívio social, escolar e familiar, perdendo a oportunidade de dar continuidade aos estudos. Os municípios da região leste fluminense como: Niterói, São Gonçalo, Magé, Maricá e Rio Bonito são o foco do PreparaNem Niterói.

Ano passado cerca de 60 alunos foram beneficiados pelo curso, sendo 18 no polo de Niterói. Os professores são colaboradores, voluntários, e suas aulas são ministradas na sede do GDN – Grupo Diversidade Niterói e GTN – Grupo Trans Diversidade Niterói, facilitadores do curso.

Diana Conrado, aluna do PreparaNem | PreparaNem – curso pré-vestibular para pessoas transexuais
Imagem: Acervo PreparaNem

Só em 2016, foram cerca de 60 (sessenta) pessoas/alunes beneficiadas pelo PreparaNem, sendo 18 (DEZOITO) no pólo Niterói. Todos os nossos professores e colaboradores são voluntários e ocupamos atualmente a sede do GDN e GTN, que são os nossos facilitadores nessa empreitada e que constroem e mantém o PreparaNem Niteroi.

“Manter os alunos no curso é uma grande empreitada, pois alguns trabalham na noite e muitas vezes vão direto da aula pro trabalho, ou chegam cansados, no entanto, o desafio em si é este, mesmo com as dificuldades existentes, poder proporcionar junto com os participantes do curso a evolução de cada um e uma inserção nas escolas, cursos e universidades, culminando na chegada ao mercado de trabalho”, afirma Bruna Benevides, a coordenadora do projeto.

Ano passado em Niterói, as aulas iniciaram com 6 alunos, chegaram a 18 e terminaram com 9, aumento de 50% na procura e participação, contrariando os índices altos de evasão escolar que vem ocorrendo em todos os pré- universitários sociais.

Resultados oficiais sobre o ENEM 2016 das pessoas beneficiadas com o PreparaNem Niterói:

  • 3 pessoas aprovadas na UFF – SISU
  • 1 pessoa na PUC – PROUNI e na UFF – SISU
  • 1 pessoa em Concurso público

Se antes não havia nenhuma oportunidade de concorrer com os privilegiados, os exemplos acima enchem de alegria e esperança de dias melhores os colaboradores do projeto e demais alunos. Conscientizando a população da necessidade de se lutar contra a Transfobia, transformando as estruturas educacionais que hoje são excludentes e opressoras.

Aluna do PreparaNem | PreparaNem – curso pré-vestibular para pessoas transexuais
Imagem: Acervo PreparaNem

O PreparaNem Niteroi foi indicado para concorrer a Medalha Paulo Freire 2017, pela atuação no combate ao analfabetismo, inclusão escolar das pessoas Trans e luta pelos direitos humanos. Para se manter foi criada uma campanha para arrecadar fundos para o projeto “PreparaNem Niteroi – Curso Pré Vestibular/ENEM”. A arrecadação servirá para compra de materiais auxiliares na manutenção e em especial para custear passagens de alunos. Que tal pensar no assunto, a atitude foi tomada, colaborar também faz parte: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/preparanem-niteroi.

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo

Projeto social para crianças do Rio – A Arte Salva

O aumento na produção mundial de lixo tem crescido muito e preocupado especialistas pelo alto número de resíduos despejados na natureza. Reciclar é um bom caminho, entretanto, nem todos os locais tem coleta seletiva. E nem todas as pessoas separam os resíduos. Os lixões a céu aberto ainda existem e deles  é retirada a subsistência de muitas famílias e crianças. Com o intuito de modificar a vida desses jovens o Projeto A Arte Salva busca por meio do lúdico, da pintura, levar até eles esperança e possibilidades de mudança social.

Algumas novelas já retrataram a realidade nessas áreas, como o caso de Avenida Brasil em reprise recente na Rede Globo. Um dos núcleos se passavam no antigo maior lixão da América Latina, de Gramacho em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Nas cenas eram vistas crianças catando lixo para ajudar a família com a venda de plásticos, metais e semelhantes, ou até mesmo na busca por comida e roupas. A ficção mostrando a realidade vivida pelas crianças da comunidade do entorno.

Materiais de pintura espalhados por uma mesa | A arte salva
Imagem: Acervo Projeto A Arte Salva

 

Em julho de 2015 o projeto iniciou formalmente, no entanto, a criação data de 2012 quando a coordenadora Karina Duartte conheceu Brayan. Ela acompanhou o desenvolvimento do menino, morador do Jardim Gramacho, até o dia em que ele e a família ganharam uma casa.  Brayan pintou suas mãos na parte de fora de casa. Ao ser chamado de artista pela nova amiga, pediu mais tintas para criar. Dessa relação lúdica surgiu a ideia de levar para as demais crianças a possibilidade de crescimento pessoal.

Ao todo já foram realizados pelo projeto nove aulas de arte, com aproximadamente 500 telas pintadas, 70 colecionadores e mais de 160 participantes. O apoio às crianças da favela 4 Rodas vai evoluindo, junto da oficina são doados agasalhos, livros, materiais escolares, além da contínua formação de colaboradores para ampliar a linha de troca e apoio às crianças do local.

“É uma luta diária  incentivar as pessoas a se tornarem voluntárias. É essencial que os cidadãos se conscientizem da importância do trabalho voluntário. Muitas pessoas desconhecem outras realidades e problemas. Precisamos de todas as formas de doações.  Vibramos verdadeiramente quando, além do apoio material, também vem a presença física. O sorriso, o abraço fazem toda diferença na vida das nossas crianças. Quem se disponibiliza a participar das nossas ações pela primeira vez, sempre quer voltar. É um amor renovador e transformador”, completa Karina.

Senhora com um cocar pinta o rosto de uma criança | A arte salva
Imagem: Acervo Projeto A Arte Salva

Como fazer parte:

Toda pessoa pode participar entrando em contato pelo e-mail [email protected]. Para ajudar pode-se fazer uma doação de qualquer valor por meio da vakinha online. E adquirindo o Kit Distribuindo Sorrisos que contém um quadro pintado com todo amor pelas crianças + 1 camiseta do projeto. O kit custa R$100,00 Informações pelo e-mail: [email protected].

Diversos artistas apoiam e incentivam o Arte Salva: Mariana Ximenes, Rafael Cardoso, Carla Salle e Hélio de La Peña, Sergio Penna e o Rapper e ativista social Mv Bill.

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo

Veículo sustentável substitui carroças

Um país grande como ainda possui grandes diferenças sociais e estruturais que aos poucos, com a colaboração geral podem ser diminuídas. Pra quem é dos grandes centros urbanos muitas vezes não vê por aí, rua a fora carroças puxadas por cavalos à cata de lixo. No entanto isso é bem comum em cidades de menor população, e em extremos do país.

Para se sustentar, algumas pessoas ganham dinheiro vendendo parte do lixo que sai das casas, como papéis e garrafas plásticas. Para levar esse material utilizam carroças puxadas por cavalos. Tem gente que acha que isso maltrata os bichos. Outras pessoas reclamam que as carroças atrapalham o trânsito porque andam muito mais devagar do que os carros.

Carroças de lixo René Caberales
Reprodução da Internet

O trabalho é digno e necessário, já que na maioria das vezes os sistemas urbanos de coleta e reciclagem não dão conta da grande produção de lixo nos dias atuais. Agora, a utilização de carroças puxadas por cavalos tem se tornado cada vez mais preocupante. Os animais sofrem mal tratos provenientes do freio (aparelho de metal onde prendem as rédeas, que ditam a direção a ser seguida, assim como freio), provocam úlcera, prendem a língua deles; muitos se tornam fracos, tem alimentação deficitária, carregam sobre carga, o que gera em grande parte, a morte.

Iniciativas surgem pelo país. Diversas regiões e estados sancionam leis que proíbem o uso de cavalos nesse processo. Mas o que fazer com quem trabalha e necessita dessa renda? E mais, nós também precisamos que este trabalho exista. Proibir o uso dos animais na coleta de lixo precisa vir acompanhada de uma ideia que proporcione aos trabalhadores sua renda, auxilie os animais e mantenha o serviço urbano.

Carroça de Lixo
Reprodução da Internet

Algumas alternativas vem surgindo em pontos do Brasil, principalmente no Rio Grande do Sul e Alagoas, a utilização de híbridos de bicicletas e carregadores acoplados. Esse meio de transporte recebe diversos nomes, mudando de local para local. A ideia é ótima, viabiliza o trabalho e libera os animais, mas existe o custo dessa troca de meio de transporte, aí entra a ação das Ongs em prol dos animais, empresas e até mesmo órgãos responsáveis, que se unem para melhor auxiliar no processo.

Há muito que ser feito, debatido, e executado para que isso ocorra. E nós podemos pensar de que forma ajudar.

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo

One by One

Projeto social carioca auxilia na inclusão social e mobilidade por meio da doação de cadeiras de rodas

Inscreva-se na Newsletter do site da Cleo